Entrega contínua e testes automatizados: melhores práticas para garantir software confiável

updated on 22 February 2024

A entrega contínua revolucionou o ciclo de vida do desenvolvimento de software, estabelecendo uma nova era de eficiência e confiabilidade operacional.

O livro " Entrega Contínua: Lançamentos de Software Confiáveis ​​por meio da Automação de Construção, Teste e Implantação " é um marco conceitual e prático que fornece um roteiro detalhado para empresas de tecnologia que visam excelência em suas operações.

Sobre o livro "Entrega Contínua: Lançamentos de Software Confiáveis"

Capa do livro
Capa do livro

A literatura sobre práticas técnicas de desenvolvimento de software evolui constantemente, buscando maior confiabilidade e eficiência nos processos. No contexto de startups de tecnologia em crescimento, o domínio dessas práticas é vital. A obra “Continuous Delivery”, de Jez Humble e David Farley, se apresenta como um recurso imprescindível nessa jornada.

Esta referência fundamental cobre amplamente o espectro da entrega contínua.

Os autores propõem uma abordagem abrangente que integra a automação de construções, testes e implantação, formando um ecossistema de desenvolvimento coeso. Isso eleva o patamar de confiança no software produzido, reduzindo significativamente os tempos de ciclo e permitindo entregas mais frequentes e de maior qualidade.

Além disso, o texto detalha a implementação de testes automatizados , essenciais para a garantia da qualidade do software em um cenário de entrega contínua. As práticas delineadas orientam sobre como conceber, construir e manter uma suíte de testes robustos, flanqueando ciclos de desenvolvimento com verificações sistemáticas e prevenindo defeitos de danos. Isso garante que o código promovido para os ambientes de produção seja confiável e resistente a regressões indesejadas.

Construindo a Base dos Testes Automatizados

A correta estruturação dos testes automatizados inicia-se pela compreensão de seu papel vital na integração contínua. Os testes precisam ser concebidos para validar com precisão e rapidez as alterações no código.

Nesse caminho, a definição de uma pirâmide de testes bem estruturada se mostra fundamental. Nessa pirâmide, os testes de unidade ocuparam uma base, seguidos por testes de serviço e, por último, testes de interface do usuário, garantindo cobertura e eficiência.

Por fim, é necessária a implementação de um processo de integração contínua que incorpora esses testes de maneira automática e confiável.

Priorizando Casos de Teste Relevantes

identificar e priorizar testes relevantes maximiza a eficiência e eficácia da automação em detectar falhas críticas.

Casos de teste bem priorizados aceleram o feedback, otimizam recursos e aumentam a confiabilidade do software em desenvolvimento.

Sem a prioridade correta, uma suíte de testes pode se tornar inchada e ineficiente, gastando tempo e recursos valiosos sem melhorar significativamente a qualidade.

Concentrar esforços em planos de uso comuns e caminhos críticos garante uma cobertura de testes que realmente importa para a experiência do usuário e o sucesso do negócio.

Mantendo o Ambiente de Teste Isolado

Criar um ambiente de teste íntegro e isolado é uma prerrogativa para testes confiáveis. Esse princípio garante a validade dos resultados obtidos, evitando interferências externas. A simulação de um ambiente de produção é crítica, porém deve-se manter uma separação clara entre ambos.

Garantir a consistência dos testes implica na utilização de dados padronizados de teste. Isso possibilita a replicabilidade e a confiabilidade das verificações realizadas. Os cenários devem ser controlados para evitar variações indevidas no comportamento do software sob análise.

A estratégia de isolamento exige práticas como o uso de contêineres e virtualização para criar ambientes de teste consistentes e aplicativos. Estes devem ser capazes de serem reinstalados e ativados automaticamente, minimizando a intervenção manual e a introdução de inconsistências. Destaca-se aqui a importância da infraestrutura como código (IAC) pela capacidade de recriar ambientes de teste fiéis ao ambiente de produção, solidificando a confiabilidade dos testes automatizados.

O livro "Continuous Delivery: Reliable Software Releases through Build, Test, and Deployment Automation" oferece orientações planejadas sobre como criar e manter ambientes de teste isolados, garantindo que as verificações sejam confiáveis ​​e consistentes.

Imagem ilustrativa
Imagem ilustrativa

Manutenção e Evolução dos Testes Automatizados

A manutenção contínua dos testes automatizados é essencial para acompanhar a evolução do software e garantir que os testes permaneçam relevantes e confiáveis ​​ao longo do tempo.

À medida que o software é aprimorado e novos recursos são aumentados, é necessário atualizar os testes para garantir que eles continuem validando corretamente as funcionalidades. O livro "Entrega Contínua" fornece insights valiosos sobre técnicas de refatoração de testes, simplificação de testes complexos e identificação de testes redundantes ou obsoletos. Essas práticas de manutenção ajudam a garantir que uma suíte de testes permaneça eficiente e confiável, acompanhando o ritmo das mudanças no software e minimizando o risco de defeitos.

Uma jornada em direção à entrega contínua requer o estabelecimento de uma cultura de testes automatizados e uma abordagem sistemática para garantir a qualidade do software em cada etapa do ciclo de desenvolvimento. 

Integração Contínua como Acelerador de Qualidade

A integração contínua (CI -Continuous Integration ) surge como um pilar fundamental na sustentação da agilidade e resiliência de softwares em desenvolvimento. Ela exige que o código seja integrado a um repositório compartilhado com frequência, preferencialmente várias vezes ao dia, onde cada alteração é automaticamente construída e testada. Essa prática permite a detecção precoce de conflitos e inconsistências, elevando significativamente a qualidade do sistema em desenvolvimento.

Na adoção do CI, é crucial compreender a relação simbiótica entre integração contínua e testes automatizados. Conforme recomendado pelo livro Entrega Contínua , os testes precisam ser executados de forma automática e abrangente, garantindo que o efeito de cada mudança seja completamente compreendido e validado. Somente assim, o código problemático é identificado e corrigido prontamente, o que elimina o acúmulo de dívidas técnicas e promove um ciclo de feedback rápido e confiável com as partes interessadas.

Ambientes Versionados e Replicáveis

A reprodutibilidade de ambientes é crucial para a confiabilidade e consistência das aplicações. Dessa maneira, uma das práticas recomendadas no livro Continuous Delivery é uma criação de ambientes versionados e replicáveis. Essa técnica permite que tanto o ambiente de desenvolvimento quanto a produção sejam exatamente idênticos, facilitando a detecção de falhas e a compreensão do comportamento do software em diferentes cenários .

Os ambientes devem ser tratados como qualquer outro produto de software, isto é, versionados. Eles devem ser criados, usados ​​e descartados através da infraestrutura como código (Infraestrutura como Código - IaC). Um IaC permite o versionamento completo de toda a configuração do sistema, garantindo que as alterações sejam rastreáveis ​​e reversíveis.

Implementar versionamento em ambientes envolve a automação do provisionamento e configuração de serviços e servidores. Certifique-se de que cada ambiente seja replicável com exatidão e elimine disparidades operacionais que, com frequência, levam a infames 'bug's de integração.

Práticas como utilização de contêineres e orquestradores de contêineres apoiam a criação de ambientes replicáveis ​​com grande eficiência. Eles oferecem uma capacidade de definir e gerenciar ambientes que são precisos e efêmeros, podendo ser redimensionados ou replicados em questão de segundos.

É necessário que toda equipe possua a habilidade de criar e gerenciar esses ambientes autonomamente. Isso reduz gargalos operacionais e aumenta a responsabilidade conjunta sobre a qualidade e o desempenho do software. Além disso, a documentação clara e a automação facilitam o compartilhamento e a colaboração efetiva entre os membros da equipe .

Por fim, em ambientes versionados e replicáveis, os testes automatizados ganham uma camada adicional de fiabilidade. A capacidade de testar o software em um ambiente que reflete exatamente a produção permite que os desenvolvedores e engenheiros de qualidade antecipem problemas que só foram concebidos em projetos mais avançados ou na produção, reforçando o caráter preventivo dessas práticas.

Feedback imediato através de pipelines eficientes

A celeridade na detecção de falhas é crucial na entrega contínua. Uma infraestrutura de pipeline eficiente não apenas automatiza os testes, mas também acelera o feedback dos desenvolvedores.

Utilizando as diretrizes do livro "Entrega Contínua", pipelines podem ser configurados para executar uma série de testes a cada integração de código. Este processo garante que cada alteração seja imediatamente avaliada, reduzindo os riscos associados à integração de última hora.

A prática de Integração Contínua, que é uma parte essencial da entrega contínua, implica na execução frequente de testes automatizados. Isto significa que o código é testado e validado regularmente, evitando o acúmulo de problemas não detectados.

Estabelecer gatekeepers automáticos no pipeline para validar qualidade e padrões de código antes da promoção para a próxima etapa garante uma linha de defesa robusta contra falhas. Deste modo, apenas código que atende a critérios pré-determinados de qualidade prossegue no processo de entrega.

Testes automatizados dentro de pipelines de CI/CD não apenas permitem o lançamento rápido de novos recursos, mas também garantem que essas atualizações mantenham a integridade do software existente.

Estratégias de Implementação de Testes

O paradigma de testes automatizados é vital para manter a integridade do código em crescimento. Abrange desde unitários até testes de acessibilidade do usuário, formando uma cadeia de garantia de qualidade.

Implementar uma cobertura de testes adequada exige introspecção e uma abordagem iterativa, contemplando todos os aspectos do software: funcionalidade, desempenho, segurança e usabilidade.

Adotar uma estratégia de testes em camadas amplia a segurança, ao passo que cada camada adiciona uma linha de defesa contra defeitos potenciais e regressões inesperadas.

Testes Unitários Versus Testes de Integração

Os testes unitários e de integração cobrem facetas distintas da verificação de software.

  • Testes Unitários : Focam em verificar a menor parte do código isoladamente.
  • Testes de Integração : Avaliamos como diferentes módulos ou serviços trabalham em conjunto.
  • Isolamento vs. Harmonia : Enquanto unitários isolam o código, integração busca harmonia entre componentes.
  • Rapidez vs. Abrangência : Testes unitários são rápidos, já os de integração são mais abrangentes e, por isso, mais lentos.
  • Fluxos de Trabalho Locais vs. Fluxos de Trabalho : Unitários detectam erros em nível de correção; integração capta falhas em fluxos de trabalho e interfaces.

Os testes unitários permitem identificar rapidamente erros de lógica ou de implementação.

Testes de integração são essenciais para garantir que o conjunto do sistema funcione conforme o esperado.

Simulação de Falhas e Testes de Resiliência

A resiliência de um sistema é medida pela sua capacidade de tolerar falhas e manter as perdas resultantes.

Para startups de tecnologia, simular cenários de falha é crucial para preparar o software para comportamentos inesperados. Nesta simulação, os componentes componentes são desligados intencionalmente para observar a resposta do sistema.

Testes de resiliência, também chamados de engenharia do caos , propositadamente orquestram condições adversárias. Eles buscam descobrir pontos fracos antes que se tornem críticos na produção e afetem os usuários finais.

Cada falha simulada e conseqüente recuperação do sistema contribui para um design mais robusto. Por vezes, estes testes desencadeiam a criação de mecanismos automáticos de redundância e recuperação.

Práticas como essas otimizam o equilíbrio entre disponibilidade de serviço e consumo eficiente de recursos.

Monitoramento e Manutenção de Testes

A monitorização contínua dos testes automatizados é crucial para a detecção precoce de defeitos e o diagnóstico de regressões sem desenvolvimento. Do mesmo modo, a manutenção regular dos testes garante que eles continuem relevantes e refletindo as mudanças recentes nas funcionalidades e requisitos do sistema. Portanto, um sistema de integração e entrega contínua bem estruturado deve incluir ferramentas de monitoramento robustas e procedimentos de manutenção sistemática.

Além disso, um mecanismo de alerta eficaz precisa ser programado para notificar a equipe de desenvolvimento imediatamente quando um teste falhar. A celeridade na resposta a estes alertas é um fator decisivo para a manutenção da confiabilidade do software e, consequentemente, para a minimização do tempo de inatividade do sistema.

Rastreamento de Cobertura de Código

O rastreamento de cobertura de código é uma métrica fundamental na garantia da qualidade do software, pois indica quanto o código está sendo testado. Isso é fundamental para identificar lacunas na detecção de falhas potenciais e garantir que todas as partes do sistema estejam sob verificação.

A utilização de análises de cobertura de código é uma prática avaliada para avaliar os testes existentes. Estas revisões fornecem insights importantes sobre as áreas que podem necessitar de mais atenção ou melhorias nos testes.

Um meta ideal seria alcançar 100% de cobertura de código, mas esse valor pode ser irreal em cenários complexos. Metas realistas devem ser condicionais, levando em conta o custo-benefício entre o esforço de teste adicional e a redução do risco de defeitos.

Compreender as nuances do código garante que os testes sejam direcionados e eficientes. Não basta apenas aumentar a quantidade de testes, mas garantir que eles sejam pertinentes e capazes de identificar comportamentos inesperados no software.

Contar com um bom conjunto de ferramentas de cobertura de código auxilia no processo de desenvolvimento, permitindo uma abordagem sistemática e contínua na análise e melhorias dos testes. Ferramentas modernas também fornecem visualizações que facilitam a identificação de lacunas de cobertura.

Adotar o rastreamento de cobertura de código é uma prova de maturidade do processo de desenvolvimento. Isso reflete um compromisso com a entrega de software de alta confiabilidade, estabelecendo padrões elevados para a qualidade dos testes automatizados.

Refatoração e Evolução Contínua dos Testes

A refatoração de testes é vital para manter a eficácia e a relevância no contexto de mudanças frequentes do software.

  • Revise e atualize os casos de teste para garantir o alinhamento com novas funcionalidades.
  • Eliminar redundâncias para evitar a execução desnecessária de testes.
  • Simplificar testes complexos para aumentar sua compreensão e manutenção.
  • Adicione novos testes para cobrir lacunas identificadas após a implementação de novas características.
  • Monitorar o desempenho dos testes para otimizar o tempo de execução.
  • Adotar práticas de integração contínua para garantir que a refatoração de testes seja realizada no ritmo das alterações de código.

Testes que não evoluem tornam-se obsoletos e desviam recursos valiosos.

A prática de refatoração dos testes automatizados deve acompanhar o ritmo ágil da entrega contínua, garantindo que o feedback seja sempre preciso e relevante.

Conclusão

O livro "Continuous Delivery: Reliable Software Releases through Build, Test, and Deployment Automation" é uma recomendação para quem deseja implementar testes automatizados, principalmente devido à sua abordagem abrangente e prática sobre o assunto.

Além de toda a visão detalhada das técnicas e práticas essenciais para a entrega contínua de software, este livro também enfatiza a importância dos testes automatizados como um pilar fundamental neste processo.

Read more